Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘pesquisa’

Cerca de 25% dos consumidores aceitariam trocar de seguradora “se elas pudessem garantir que teriam mais transparências nos produtos e uma comunicação mais aberta”. A conclusão está na matéria do Infomoney, como segue:

“Preço e marca são os principais requisitos para o brasileiro contratar o seguro

Na hora de contratar um seguro o preço e a marca do provedor são os principais requisitos para os brasileiros na escolha da seguradora, revela pesquisa da Ernst & Young, líder global em serviços de auditoria, impostos, transações corporativas e assessoria.

A importância da marca no Brasil é maior que em qualquer outro país pesquisado. No país, 58% dos brasileiros disseram que a marca e o preço são os mais importantes na hora de escolher a seguradora, já outros 44% disseram que os serviços da empresa é o principal fator na hora da decisão.

Ainda no Brasil, 38% disseram que a reputação é um fator influente na escolha da seguradora, enquanto que para 32% o que importa é o produto oferecido.

Em países como o Canadá (59%), Polônia (59%), Turquia (59%), Estados Unidos (58%), México (57%), Malásia (57%) e Cingapura (55%) o preço é o que mais importa na hora de contratar o seguro.

Produtos mais simples

A pesquisa ainda mostrou que a maioria dos entrevistados acham que os produtos que estão no mercado são muito complicados. Na opinião dos consumidores, as ofertas de produtos deveriam ser mais simples e transparentes.

Mais de um quarto dos entrevistados, em cada região, disseram que reconsiderariam a troca de administradora de seguro se elas pudessem garantir que teriam mais transparências nos produtos e uma comunicação mais aberta.

Anúncios

Read Full Post »

O Consumidor Seguro não poderia deixar de registrar a pesquisa do site Consumidor Moderno. No levantamento, a Caixa Seguros conquistou a liderança e levou o título de seguradora que mais respeita o consumidor.

Compartilhamos então o texto publicado no blog do Grupo Caixa Seguros, como segue:

“A CAIXA SEGUROS acaba de ser eleita a seguradora que mais respeita seus clientes no Brasil. O prêmio, concedido pela revista Consumidor Moderno, refere-se à categoria seguros de automóveis e residenciais e é considerado o principal estudo do mercado brasileiro a avaliar o conceito de respeito, a partir de entrevistas diretas com os consumidores das marcas no ano de 2011.

Para chegar ao resultado, o instituto de pesquisa contratado para realizar o estudo entrevistou cerca de 1.400 brasileiros. Cada um deles respondeu diversas perguntas sobre empresas de diferentes segmentos. Os principais atributos avaliados foram, pela ordem de importância: o atendimento, a qualidade dos produtos, o relacionamento, a imagem, os preços e formas de pagamento, o respeito ao Código de Defesa do Consumidor e a qualificação do atendente como vendedor.

Motivo de orgulho

“O prêmio é resultado do cuidado de toda a equipe do Grupo CAIXA SEGUROS com os nossos segurados”, afirma o superintendente de relacionamento com o cliente da seguradora, Antônio Campoi. “Aqui, o cliente vem em primeiro lugar. Trabalhamos para dar a ele o melhor atendimento possível”.

Na avaliação do executivo, um dos fatores determinantes à conquista do prêmio são as constantes pesquisas de satisfação realizadas com os clientes. A parceria da central de relacionamento com as áreas que vendem e operam os produtos também é fundamental.

Para ficar ainda mais próximo da família brasileira, o Grupo CAIXA SEGUROS dedica atenção especial ao relacionamento com os clientes. A empresa tem investido em média R$8 milhões/ano em canais de relacionamento 2.0, como as redes sociais, com o objetivo de oferecer ainda mais simplicidade e rapidez para o consumidor.

A busca pela satisfação do cliente envolve a empresa inteira. A política de relacionamento com fornecedores, por exemplo, também se reflete em qualidade para o consumidor. Desde 2008, todos os contratos do Grupo apresentam cláusulas que permitem rescindir parcerias com fornecedores, caso eles pratiquem crimes ambientais, lavagem de dinheiro, utilizem mão-de-obra infantil ou tenha, outros contrários aos direitos humanos e à sociedade. Além disso, a CAIXA SEGUROS disponibiliza à população um canal para denúncias anônimas. “O consumidor moderno não deseja apenas ser bem atendido. Deseja também ter um consumo responsável e proveniente de fontes sustentáveis”, afirmou Campoi.

Rede de Relacionamento da CAIXA SEGUROS com o consumidor

Read Full Post »

A Ace Matrix, empresa especializada em monitorar o conteúdo de televisão nos Estados Unidos, detectou que os comerciais com celebridades não têm mais o resultado esperado.

De acordo com as conclusões de uma pesquisa recente, avaliando todos os anúncios durante 11 meses em 2010, a presença de famosos não trouxe impacto positivo considerável: menos de 12% obtiveram 10% a mais de eficácia e um quinto deles causou até prejuízos aos produtos.

Segundo o estudo, a era das redes sociais criou um novo tipo de espectador, muito mais exigente e informado. A Ace Matrix diz que a transformação é profunda e radical: o consumidor atual é bem diferente daquele de cinco anos atrás.

A opinião dos amigos das redes sociais, por exemplo, hoje tem muito mais peso. A nova premissa é que o cidadão bem informado, com pouco tempo disponível e menos impressionável, só absorve publicidade relevante e informativa.

O recado parece claro: há uma desconfiança geral, como se a indústria do entretenimento não conseguisse mais fazer a cabeça do público com sua mensagem desgastada e artificial.

Ou seja, é alta a rejeição por produtos embalados no glamour fabricado do mundo do show business, sobretudo numa época em que os mitos quase não existem, vitimados por escândalos de todo tipo veiculados em nível global.

Os exemplos são vários e não poupam nem mesmo os heróis do esporte: o super golfista Tiger Woods perdeu patrocinadores e contratos milionários depois de uma série de estrondosos casos extraconjugais, enquanto a escalação do badalado cliclista Lance Armstrong, depois envolvido em suspeitas de doping, foi incapaz de salvar as pretensões da loja de eletrônicos RadioSchack.

Até a propaganda da seguradora Nationwide Auto Insurance, com o piloto Dale Earnhardt Jr., um dos astros do automobilismo americano, foi considerada tola em pesquisas qualitativas e não conseguiu, literalmente, emplacar.

O garoto-propaganda Earnhardt aparece em diversas cenas de gosto duvidoso e comenta as coberturas oferecidas pela Nationwide Auto Insurance, incluindo automóvel, residência e até proteção para negócios. Tudo com um jingle de fundo bem cafona, para dizer o mínimo.

E no Brasil? Pelo menos até o momento, as campanhas das seguradoras na TV nacional – como a “Vai que…”, da Bradesco Seguros, ou “Um conselho”, da Allianz – seguem caminhos bem diferentes, sem celebridades e com foco em pessoas e situações do cotidiano.

Até porque aqui a cultura e consumo de seguros estão em nível bem abaixo dos países desenvolvidos. É óbvio que buscar diálogo com o público através de uma celebridade, como no caso do comercial da Nationwide Auto Insurance, seria fetichizar demais a situação. E deixar um recado pouco produtivo.

Read Full Post »

Nesta semana, o Consumidor Seguro se deparou com a notícia de que os consumidores têm baixo nível de confiança nas seguradoras e que “o nível de lealdade está cada vez menor”, como se pode ler no texto abaixo, reproduzido do site InfoMoney.
Publicada no dia 16 de março, a “Matéria nota 10 da semana” traz dados de uma pesquisa conduzida pela IBM em 20 países, incluindo o Brasil:

Seguros: confiança no setor e lealdade dos clientes são baixas, aponta pesquisa

A confiança no setor de seguros continua baixa e o nível de lealdade dos consumidores está cada vez menor, dificultando que as empresas mantenham a base de clientes.

De acordo com um estudo da IBM divulgado nesta quarta-feira (16), com 21 mil consumidores de 20 países, sendo 1.600 do Brasil, 29% dos clientes possuem três ou mais provedores de seguros para diferentes linhas de produto e 25% dos entrevistados que se consideravam fiéis a uma marca específica trocaram de empresa nos últimos dois anos.

O levantamento também apontou uma alteração no perfil do consumidor, que passou a utilizar diferentes formas de interação com a companhia de seguros.

No Brasil, o corretor ainda é muito utilizado no contato com o cliente. “Apenas 51% dos usuários de seguros do País acreditam nas seguradoras, mas esse número aumenta muito quando adicionamos a figura do corretor”, afirma o líder da área de consultoria da IBM Brasil para o segmento de seguros, Roberto Ciccone.

Desafios

De acordo com a pesquisa, um dos maiores desafios para as seguradoras nos próximos anos será se aproximar dos clientes. Para isso, será necessário ir além da estratégia convencional.
“As organizações mais bem sucedidas serão as que apostarem em um processo de colaboração e co-criação de produtos e serviços com seus clientes, para melhor entender, prever e atender suas reais necessidades”, afirma Ciccone.

Executivos de seguradoras

Uma outra pesquisa recentemente divulgada pela IBM, que entrevistou 78 presidentes de seguradoras de 28 países, incluindo 10 presidentes do Brasil, mostrou que líderes do setor estão atentos às necessidades de seus consumidores.

Para 90% dos entrevistados, a aproximação com os clientes será tida como prioridade no trabalho das seguradoras frente aos desafios futuros. Mais da metade (55%) dos presidentes apontou a criatividade como principal qualidade do líder do setor, seguida de integridade (50%) e poder de influência (36%).

Para esses executivos,  a complexidade no ambiente de negócios será o grande obstáculo para o sucesso das empresas nos próximos anos – constatação feita por quase 70% dos presidentes.”

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: